Livros de personagens

Ginho, o ET de Varginha

Ginho, o ET de Varginha

Em 2007, o premiado cartunista paulista Marcio Baraldi começou a colaborar com a revista UFO – a mais antiga e conceituada revista de ufologia do mundo. Começou fazendo tiras de humor, usando como protagonistas os próprios editores e colaboradores da revista. Mas logo surgiu um personagem novo nas tiras: Ginho, o ET de Varginha! De imediato, o personagem roubou as atenções e se tornou o titular da série. Inspirado no famoso caso dos ETs encontrados na cidade mineira de Varginha, em 1996, Ginho é o legítimo ET brasileiro. E, como tal, participa ativamente de tudo que diz respeito à ufologia brasileira: agroglifos em plantações, abduções, contatos imediatos e até casos famosos como a Operação Prato , escondida pelos governos brasileiros por décadas e revelados há alguns anos , graças a campanha “UFOS: liberdade de informaçao já!”, organizada pela revista e protagonizada pelo Ginho. Mas as aventuras de Ginho não se limitam ao Brasil, em suas tiras o simpático ET viaja pelo tempo e espaço desvendando mistérios das civilizações antigas, da Bíblia ou da enigmática Área 51 ou ainda visitando globos em fase de colonização como a Lua e Marte. Como se não bastasse, Ginho também arruma tempo pra homenagear figuras importantes da ufologia nacional. Como os falecidos ufólogos Claudeir Covo e Irene Granchi ou os famosos abduzidos Antonio Villas Boas e Nelso Tasca. Enfim, nada que aconteça na Ufologia mundial escapa a analise e humor do perspicaz Ginho. Ao contrário de outros personagens ETs mais voltados para o humor de costumes ou ao erotismo, (como o clássico Marcianinho Erótico da Playboy), Ginho é o único personagem do gênero na imprensa mundial a fazer um humor engajado e militante da ufologia, estando sempre atualizado dos acontecimentos ufológicos do planeta. Um personagem sem similar no mundo. Ponto para o Brasil, que além de sediar a mais antiga e longeva revista ufológica do mundo (a UFO já tem 30 anos, é a única revista que atingiu essa marca), ainda possui um personagem de vanguarda como o Ginho. O livro tem 50 páginas coloridas em papel couche, e reúne os quatro primeiros anos da série, em ordem cronológica, para o leitor acompanhar a evolução do personagem através dos anos. Com prefácio de Ademar Gevaerd, editor da UFO, o livro traz ainda depoimentos curtos de figuras importantes como os escritores Rubens Luchetti e Marco Antonio Petit, dos cartunistas Zélio e Ciça, e dos contatados Rogerio Bin, Chico Penteado e Cris Paschoal, além da ufóloga Monica de Medeiros. Ginho, o ET de Varginha, é um lançamento conjunto da revista UFO e do selo “GRRR!…”(Gibi Raivoso , Radical e Revolucionário) do cartunista Marcio Baraldi.
ROKO-LOKO e ADRINA LINA (2003)

ROKO-LOKO e ADRINA LINA (2003)

Primeiro livro de quadrinhos 100% rock’n’roll do Brasil, este primeiro volume da série “Roko-Loko e Adrina-Lina” traz as aventuras do casalzinho roqueiro mais querido do Brasil, que são publicados há nove anos na revista Rock Brigade. Este álbum de quadrinhos coloridíssimos e alegres, todo em papel couchê, capa plastificada e acabamento luxuoso, reúne as 36 primeiras HQs e as 32 primeiras tiras dos personagens, publicadas no período de 1996 a 1998. Roko e Adrina, a cada história, contracenam com uma banda de rock verdadeira, gerando mil situações hilárias num verdadeiro festival de trapalhadas e gags memoráveis. Descubra porque esses personagens entraram instantaneamente para a cultura rocker brasileira e se tornaram clássicos definitivos. Prefácio de Fernando Souza Filho (editor de arte da Rock Brigade) e textos honrosos de músicos das bandas Angra, Shaaman, Torture Squad, Fates Prophecy, Mustang, Made in Brazil , além dos lendários Toninho Pirani (Rock Brigade) e Vitão Bonesso (programa Backstage). Um lançamento histórico das editoras Opera Graphica e Rock Brigade.
ROKO-LOKO e ADRINA LINA ATACAM NOVAMENTE! (2004)

ROKO-LOKO e ADRINA LINA ATACAM NOVAMENTE! (2004)

Eles estão de volta! Depois do sucesso arrebatador do primeiro livro, o hilário casalzinho roqueiro Roko-Loko e Adrina-Lina, criados pelo cartunista mais rock´n´roll do mundo, Marcio Baraldi, chegam ao segundo livro, ainda mais divertido e colorido! São 50 páginas em couché colorido, capa plastificada, acabamento de alto padrão, tudo isso por apenas R$ 10,00 (dez reais, merreca pra roqueiro nenhum botar defeito!!!) O livro traz ainda textos honrosos de Kid Vinil, João Gordo e galera das bandas Harppia, Sepultura, Krisiun, Korzus, Inocentes e até do editor da revista Headbanger Magazine, do Equador, comentando sobre os personagens do Baraldi. Mais um super lançamento das editoras Rock Brigade e Opera Graphica.
ROKO-LOKO e ADRINA LINA BORN TO BE WILD! (2006)

ROKO-LOKO e ADRINA LINA BORN TO BE WILD! (2006)

“Born to be wild!” é o novo livro do Roko-Loko e Adrina-Lina, os personagens mais rock’n’roll dos quadrinhos, que são publicados ininterruptamente há dez anos na revista Rock Brigade, a mais antiga e tradicional da América Latina. O livro vem na esteira do sucesso dos dois anteriores “Roko-Loko e Adrina-Lina” e “Roko e Adrina atacam novamente”, todos pela Opera Graphica, uma das editoras de quadrinhos mais prolíficas do Brasil, e ambos ganhadores de Prêmios “Ângelo Agostini” como melhores lançamentos de 2003 e 2004 respectivamente. Este novo volume reúne em ordem cronológica todas as HQs e tiras dos personagens produzidas entre 2002 e 2004,e traz entre elas alguns dos maiores clássicos dos personagens como “Era um garoto que como eu amava os Pistols e os Ramones”, uma tocante HQ que narra a despedida de Roko-Loko do seu ídolo Joey Ramone, cantor dos Ramones, falecido em 2002.Outros dois clássicos presentes no livro são “O sonho não acabou!”, uma HQ inspirada na música “Imagine” de John Lennon e “Hair-Um grito pela Paz!”, uma emocionante história onde Baraldi mistura elementos dos filmes “Hair” e “Easy Rider(Sem Destino)” para compor um verdadeiro manifesto contra as guerras de Bush e suas atrocidades contra a raça humana. Por sinal, a HQ “O sonho não acabou” deu tanta repercussão que acabou sendo reproduzida em livros escolares para estudo e reflexão dos alunos. Como atração extra este livro traz a HQ inédita “Buggy,Buggy-Vai,Vai”, escrita pela cronista e poetisa Anita Costa Prado. Anita conheceu os personagens de Baraldi e gostou tanto deles que, mesmo sem conhecer o autor pessoalmente,escreveu o roteiro desta HQ por conta própria e o enviou a Baraldi, que o quadrinizou especialmente para este livro, transformando essa HQ num verdadeiro item de colecionador para quem é fã dos personagens. Como já e de tradição nos livros do Baraldi, este volume traz dois prefácios poderosos, um de Antonio Carlos Monteiro, editor da Rock Brigade, e Mario Latino, cartunista nicaragüense e, acredite se quiser, ex-guerrilheiro sandinista, provavelmente o único cartunista que já foi guerrilheiro que o mundo dos quadrinhos tem notícia! Como se não bastasse o livro ainda tem textos honrosos de músicos das bandas Cólera, Dr.Sin, Eterna, Tuatha de Danann, Dark Avenger, além de Sylvio Passos (presidente do Fã-clube oficial de Raul Seixas), do cineasta Zé do Caixão e de Serguei, o roqueiro mais veterano do Brasil, verdadeira lenda-viva do rock nacional, todos elogiando o Roko-Loko. Enfim, mais um lançamento de ouro do Baraldi, que tem tudo para repetir o sucesso dos anteriores, faturar mais prêmios e arregimentar mais fãs e leitores para estes que são os personagens mais rock’n’roll dos quadrinhos mundiais!
Roko Loko e Adrina-Lina Hey Ho... Let's Go!

Roko Loko e Adrina-Lina Hey Ho... Let's Go!

Roko-Loko completou 15 anos de existência nas páginas da Revista Rock Brigade – uma das mais antigas publicações de rock do planeta. O personagem do cartunista paulista Marcio Baraldi saiu das páginas da revista em 2005 para tornar-se o primeiro game rock do Brasil, que já faturou ‘Disco de Diamante’ no ano passado por vender meio milhão de cópias. Roko-Loko também virou boneco, em duas versões (sentado e em pé – tocando guitarra), em biscuit envernizado com aproximadamente 13 cm de altura. O debutante personagem, um dos mais duradouros do Quadrinho Brasileiro, ganhou seu quarto livro, “Roko-Loko e Adrina-Lina:Hey Ho, Let’s Go!”, 12º da carreira de Baraldi, foi lançado numa grande festa em São Paulo, no último dia 05 de dezembro. O livro reúne todas as HQs e tiras de Roko-Loko e sua inseparável namorada Adrina-Lina, produzidas e publicadas entre 2004 e 2006, tudo em ordem cronológica. Uma das histórias hilárias é a paixão desenfreada de Roko por Tarja Turunen, ex-vocalista da banda finlandesa Nightwish. Há também a emocionante aventura mitológica com o poderoso Tor e Mestre Raulzito, o guia espiritual do Roko-Loko, além de uma versão impressa do jogo “Roko-Loko no Castelo do Ratozinger”, a qual o leitor poderá ajudar o personagem a entrar no castelo de seu arqui-inimigo Ratozinger e salvar sua musa Adrina-Lina. Em outras histórias acontecem infinitas trapalhadas divertidas do jovem roqueiro ao lado de bandas históricas, como Helloween, Judas Priest, Angra, Korzus, Slayer, Metallica, e muito mais! Tudo com as marcas “mais que registradas” do Baraldi: muita cor, muita ação, muito humor! “Roko-Loko e Adrina-Lina: Hey Ho, Let’s Go” é mais um lançamento do “GRRR!…(Gibi Raivoso, Radical e Revolucionário!)”, selo criado pelo próprio Baraldi.
TATTOO ZINHO (2005)

TATTOO ZINHO (2005)

O PRIMEIRO PERSONAGEM TATUADOR DOS QUADRINHOS Marcio Baraldi se consagrou como o cartunista mais rock’n’roll do mundo ao criar os personagens Roko-Loko e Adrina-Lina para a revista Rock Brigade, além de várias outras séries e personagens para a maioria das revistas de rock brasileiras como, além da Rock Brigade, Metalhead, Roadie Crew, Dynamite, Comando Rock, Valhalla e Rock Underground. E foi em 1996 que ele se aventurou a desenhar para um assunto muito próximo do Rock: a tatuagem. Naquela época existia apenas uma publicação sobre tatuagem no Brasil, a pioneira revista Metalhead Tattoo, e foi justamente para ela que Baraldi criou o Tattoo Zinho, o primeiro personagem tatuador dos quadrinhos. Além de ser um personagem inédito nos quadrinhos, Tattoo Zinho também prima por ser inusitado: é um tatu tatuador! Sim, Baraldi aproveitou o som idêntico das palavras “tattoo” (tatuagem, em inglês) e “tatu” para criar um tatuador que não é um ser humano e sim aquele mamífero roedor que adora escavar a terra. Com um visual rocker: boné virado para trás, óculos escuros, calças jeans e muuuitos piercings e tatuagens pelo corpo, Tattoo Zinho divide um estúdio de Tatuagem com seu sócio Podrão, versão caricaturada do tatuador Maurão, de São Caetano do Sul, também conhecido por ser guitarrista da lendária banda punk Garotos Podres. Pelo estúdio dessa folclórica dupla passam todos os tipos possíveis para se tatuarem: patricinhas, surfistas, roqueiros, malucos diversos e até paródias de personagens famosos dos quadrinhos como Super-Homem, Popeye e Wolverine, causando as mais absurdas e divertidas situações. Mas nem só de diversão vive o Tatoo Zinho, em suas aventuras ele retrata com bom humor o universo dos tatuadores e dos tatuados com uma boa dose de crítica política e social também. Problemas como os tatuadores de rua, leis regulamentadoras da tatuagem, e até assuntos de conjuntura mundial como as guerras de Bush são abordados em suas HQs. Este livro, ”Tattoo Zinho”, lançamento luxuoso de alta qualidade gráfica da editora Opera Graphica, reúne todas as HQs do personagem desde sua estréia em 1996.O livro traz prefácios de César Nemitz, editor da revista Metalhead Tattoo, e de Ayrton Mugnaini Jr., um dos maiores jornalistas especializados em música do Brasil, além de textos honrosos de tatuadores profissionais como Cláudia Zuba, Osmar Tattoo, Tita, George Tattoo, Maurão e Zero Tattoo e de músicos das bandas de rock Exxótica e Velhas Virgens, todos, naturalmente, muito tatuados. Um lançamento pioneiro de um personagem pioneiro, criado por um cartunista pioneiro, este é, provavelmente, o primeiro livro de quadrinhos sobre tatuagem do mundo. Mais uma prova de que os quadrinhos brasileiros estão, muitas vezes, na vanguarda mundial do gênero.
HUMORTÍFERO: O HUMOR MORTÍFERO DO BARALDI! (2007)

HUMORTÍFERO: O HUMOR MORTÍFERO DO BARALDI! (2007)

“Humortífero”, o novo livro do cartunista Marcio Baraldi, traz uma coletânea das histórias que saem há 11 anos na revista roqueira Metalhead, uma das mais antigas e tradicionais do Brasil. Diferente de outras séries de sucesso do cartunista como “Roko-Loko” e “Tattoo Zinho”, na “Humortífero” não há um personagem fixo, as histórias são um verdadeiro escracho livre, sem fórmulas e sem amarras em cima de bandas de rock, programas de TV, celebridades meia-boca, artistinhas canastrões e toda fauna de criaturas bizarras que invade nossa grande mídia todo santo dia. Um humor extremamente atual, moderno, esculachadíssimo e, claro, hilário, com toda a qualidade de sempre do Baraldi. O livro tem o mesmo padrão dos livros anteriores de Baraldi: 50 páginas em couché colorido, capa cartonada plastificada e traz dois prefácios poderosos de Roberto Guedes e Alvaro de Moya, dois dos maiores experts em quadrinhos do Brasil (autores de inúmeros livros sobre o assunto).O livro também traz textos honrosos de várias personalidades como André Barcinski (programa Garagem), Luciano Frazani (programa Rock Forever), Luis Saindemberg (mestre dos quadrinhos nacionais), Percy Weiss (histórico vocalista do Made in Brazil e Patrulha do Espaco), Barata e Thiago Torres (das bandas DZK e Mad Dragzter), do falecido cartunista e músico Joacy Jamys e, por fim, do maior roqueiro vivo do Brasil,Tony Campello. Mais um grande lançamento do Baraldi com suas marcas registradas: muita cor, muita originalidade, muito senso crítico e claro, muuuuuuuuuuuuuitas risadas!
Vapt e Vupt

Vapt e Vupt

A convivência diária com a efervescência dos movimentos populares deu a Baraldi a base para criar os personagens Vapt e Vupt, dois passarinhos que tentam entender as incoerências do Ser Humano e os infinitos problemas que este cria para si próprio. Assim, os passarinhos passam o tempo sobrevoando locais e situações como guerras, bombardeios, favelas, cemitérios, usinas nucleares, matadouros, centros urbanos superpopulosos, latifúndios desperdiçados, etc, e se perguntando o porquê de tudo isso. Vapt e Vupt representam a pureza dos animais, que não possuem a mesma natureza contraditória e ainda belicosa do Ser Humano, e querem saber quando o Homem amadurecerá e abandonará de vez seu passado selvagem. Querem saber quando a Humanidade respeitará a si mesma e a Terra, estando pronta para viver perpetuamente em paz e integrar uma Nova Ordem Cósmica. Para obter tais respostas não é raro os passarinhos buscarem auxílio nos próprios humanos, em pessoas como Sonia Rinaldi, pioneira na Transcomunicação Instrumental, ciência nova que estuda a comunicação com espíritos e extraterrestres através de computadores e ondas de rádio. Ou em espíritos avançados, como Chico Xavier e o próprio Mestre Jesus Cristo. Porém, longe de se perder em devaneios religiosos, Vapt e Vupt são, isso sim, uma original série de questionamento político, social e ecológico, voando tranquilamente pelos caminhos da Espiritualidade para unir tudo numa resposta só: somos espíritos ainda imaturos depredando seriamente nossa Morada-Escola e precisamos tomar juízo imediatamente! Ou nosso futuro pode ser dos mais trágicos e tristes! Mas Vapt e Vupt sempre apostam na esperança e no otimismo de um futuro glorioso e pacífico para a Raça Humana, redimida de seus males e integrada na Irmandade das múltiplas raças do Universo. Criados para a revista infanto-juvenil cristã “Alô Mundo”, da editora “Sem Fronteiras”, em 1995, Vapt e Vupt ficaram nesta até seu fechamento. Depois, migraram para a revista “Sem Fronteiras”, da mesma editora, e, na sequência, para a então recém-lançada revista “Visão Espírita”, do consagrado comunicador Alamar Régis. “Visão Espírita” foi a primeira revista de conteúdo kardecista com formato popular e foi um verdadeiro fenômeno editorial no início da década de 2000. Após seu fechamento, os passarinhos sobrevoaram rapidamente a “Além da Vida” (editora “Escala”), do famoso médium Nélson Moraes, até estabeleceram seu ninho definitivo na revista “Espiritismo” e Ciência”, da editora “Mythos”, onde são publicados mensalmente desde 2005, obtendo grande repercussão junto aos leitores, além de professores e evangelizadores que usam suas histórias como instrumento didático. A série também é publicada no “Sindiquim”, jornal do “Sindicato dos Químicos do ABC” e em vários jornais pelo Brasil afora. Este livro é uma coletânea dos melhores momentos e celebra os 15 anos da série, com 50 páginas em couche colorido e capa plastificada, no mesmo alto padrão de todos os livros do Baraldi. O livro tem prefácios de Gilberto Schoreder, editor da “Espiritismo & Ciência”, e Carlos “Spider” Costa, editor da “HQM” editora,e traz depoimentos sobre os passarinhos feitos por Pedro de Campos e Euripedes Khul (médiuns e escritores espíritas consagrados), Alamar Regis (jornalista e comunicador espírita), Sonia Rinaldi (pesquisadora da Transcomunicação Instrumental e autora de vários livros sobre o assunto), Ademar Gevaerd (ufólogo e editor da revista“UFO”),Diamantino da Silva (mestre do Quadrinho Brasileiro, com quase 90 anos de idade) e Hélcio de Carvalho (jornalista e dono da editora “Mythos”). Enfim, uma série definitivamente voltada para o futuro do Ser Humano e do Planeta Terra, que só poderia mesmo ser feita por um artista de visão progressista e futurista, como o Marcio Baraldi, o cartunista do Terceiro Milênio!
RAP DEZ

RAP DEZ

Rap Dez é o primeiríssimo personagem rapper dos quadrinhos mundiais que se tem noticia! Suas histórias são todas narradas em versos rimados, como um rap de verdade, sempre retratando temas politizados de interesse da juventude, tudo com o bom humor e energia positiva típicos do Baraldi. O personagem é publicado desde 2003 na revista Viração, uma publicação mensal para adolescentes com linha editorial politizada e militante. Mais que uma simples revista , a Viração é um projeto social, com apoio do Ministério da Cultura, da Unicef e da Unesco, e conta com a participação direta de jovens secundaristas e universitários na sua pauta e produção. O livro segue o padrão caprichado dos outros treze já lançados pelo cartunista, com 52 páginas coloridas em couché, capa plastificada e traz prefácios de Paulo Lima (editor da Viração) e do escritor e especialista em cultura Hip-Hop Ferréz , além de depoimentos de vários artistas do rap como DJ HUM, Rappin Hood, XIS,Toni C e de outras personalidades como os mestres da HQ brasileira Emir Ribeiro, Fernando Ikoma e Getulio Delphim, além do jornalista Osvaldo Bertolino. O livro ainda traz duas caricaturas do Baraldi feitas pelos mestres da HQB Osvaldo Talo e Fernando Ikoma. Rap Dez é em formato magazine 21 x 28 cm. O lançamento é uma parceria do selo GRRR!.. do cartunista e da revista Viração.